sábado, 31 de outubro de 2009

Gustavo Black Alien e a Quinta Menção Honrosa.


Gustavo Black Alien sempre foi um dos meus rappers prefe/letos.Tenho toneladas de letras dele forrando a parede do meu cérebro,estão misturados na pasta "arquivos decorados"com algumas orações católicas,hinos de países,hinos de times,telefones,placas de carro do pai,e outras coisas que já escolhi decorar por achar que valia a pena manter no recheio do cérebro.
Desde a minha oitava série quando descobri a banda carioca Planet Hemp,a agilidade,bom humor,ginga e tiração de onda do estilo rapzerovinteum (021) já me causavam confusão.Confusão de impressões: sentia Led Zeppelin naquilo,sentia Martinho da Vila naquilo,sentia baião,hiphop,raggamuffin -que eu só fui saber o que era tempos depois-naquilo,sentia funkeira,soulzeira,baixo violento,punkrock Bad Religion,Suicidal Tendencies,ramones e é claro o lirismo malandro estilo Bezerra da Silva.
Me atendo um pouco mais ao estilo-descritivo-político-antiético-subversivo-tirador-de-onda da banda que chegou a ser proibida,processada,criminalizada,tolhida,encarcerada e que legou à história do rock brasileiro,nos anos 90 a impossibilidade de defender uma ideologia musicalmente,sim porque agora
gravadora nenhuma quer mais fazer acordo com nenhuma banda que queira defender musicalmente uma ideologia,ou levantar uma bandeira(!!) eu pude conhecer o trabalho de Gustavo Black Alien.
"A Lírica Bereta", epíteto que manufaturou para si e com muita razão.Black tem um estilo rápido e desafiador de cantar suas letras,ao mesmo tempo que muito natural.Você pode reparar que nas músicas do Planet Hemp,normalmente há um espaço,um momento,momento que nunca ninguém canta nas rodinhas se estiver de bobeira apenas para lembrar o clima de tal música porque é um momento complicado de se cantar,são partes complexas onde o poeta compara o seu estilo de rima com o estilo de arte dos trapalhões ou é capaz de variadas outras menções estapafúrdias,exemplos raríssimos,imagens concretamente preparadas e muitas vezes até agresSOVAS.
Gustavo BlackAlien é poeta de Nikity City.(onde aliás a cena hiphop "rio" é bastante fértil,vide Quinto Andar,Caramujo Sonolento,De leve)
Subiu ao palco pela primeira vez em 1993 e desde então já fez muitos shows e já tocou com muita gente.Lança o seu primeiro disco solo cavernoso em 2004,e se chama Babylon by Gus-O ano do macaco (referência ao lendário Babylon by Bus do Bob Marley).
É muito ativo no cenário eletrônico tendo sido remixado pelo D.J Britânico Fat Boy Slim.
Black Alien é exímio letrista,suas letras são filosoficas muitas vezes,apesar de bastante diretas,muitas partes exigem alguma reflexão sobre o ouvido,é ao mesmo tempo que desabafo ensinamento,algo muito comum na música brasileira.
Gustavo Black Alien é um dos maiores poetas do underground carioca atual.

Recomendo que se assista ao documentário - L.A.P.A de Cavi Borges e Emílio Domingos,onde o rapper Gustavo participa dizendo as verdades mais verdadeiras sobre a arte.Em particular a arte musical,dando zoom menor : o HIPHOP que já deglutimos também e hoje já é mais do que nosso porque fazemos tirando onda.


diferentemente dos hallowens que ocorrem timidos entre a elite dos cursos de inglês e condomínios da barra;
Admiradores da cultura brasileira,não temeis o Harolin,esta festa nem se popularizou e nem vai.Dia de correr atrás de doce é São Cosme e Damião,nego quer mais é curtir,deixa chegar Dia das bruxas que nós festeja mais um,pô!

*fragmento cantado por Black em Zerovinteum- Planet Hemp.

How how how faz o Papai Noel
Pow pow pow e nego não vai pro céu
Digo V de vendeta, lírica bereta
Black Alien e família, soem as trombetas!
Tomando de assalto a cidade que brilha
Mãos ao alto, vamos dançar a quadrilha
288 é formação de quadrilha

Nome:Gustavo Ribeiro, a descrição do elemento
Primeiro é o olho vermelho, na mente, no momento
Como diz o Bispo*, "eu sou artista, esse é meu lixo"
Acesso ao som restrito aos peritos
O dialeto se dito é um perigo, amigo
Para o consumo da alma sem abrigo

*Bispo - Artur Bispo do Rosário - Artísta plástico genialmente louco.

Planet Hemp -Queimando Tudo

Piso pesado e sinistro como o sol que vem sem dó
Quando eu tô preso em preto e branco como em Daunbailó*
Procurando e destruindo falsos MCs
Nocivos como os governantes do nosso país
Minha família quer tudo, como quem não quer nada
O estilo é livre, ninguém pode pará-la
Nada mais, nada menos, é, eu tô sabendo
Black Alien vai rimando, queimando, sobrevivendo
Se é o caso, queimo a casa e me livro do rato
Negozinho, se liga que eu não vou deixar barato
Então D2 " Qualé " O que você me conta?

*Daunbailó -Down by law -filme fodasso em p/b de um dos melhores diretores americanos Jim Jarmuch.

O império Contra-Ataca -Originalmente lançada no disco "eu tiro é onda" de Marcelo D2-

pensamentos mortais por detrás das grades,da cela
detritos federais tentam me botar na sequela mais
comigo tá tudo certo tá tudo tranquilo,como se eu
tivesse dando um rolé descendo o rio nilo ou o rio
amazonas também eu sei que era neguinho nenem que
nasceu la em belem eo iiuu iepe iupi ai ei me da um
microfone que eu derrubo um rei meidei meidei
mayday,eu tenho uma pistola de ouro que nem
goldfinger,eu mostro a minha rima as mina mostra sua
ginga,meu estilo é que nem dos trapalhões circence
acrobatico,o mar gelado que te da um choque
anafilatico,enquanto nada com os tubarões,caça com os
leões,na capa de confrontesco,confronta os
dragões,transforma o deserto em oasis,atravesso sem
transpirar,somos uns dos azes,das ruas eu tenho cartão
de acesso,testemunha ocular da história,como reporter
esso,eu nunca corri da KKK e nem dos alemão porque
agora eu vo corre de um irmão que nem poncio pilatos o
filha da puta que lave as mãos,que nem galactos devore
os planetas de marte a plutão.

Um comentário:

Cris Chevriet disse...

achei ótimo, aprendi bastante...