sexta-feira, 10 de julho de 2009

"a estabilidade quem garante?" disse a areia movediça ao pé,canela,perna,coxa,cintura...



Na poesia sem vírgulas, restrições ou grades.
Nos versos sem firúla,sem guardas,gradações ou mérito.
Nas vozes que não se prendem em jaulas.Nos insultos magnéticos que deprimem e entristecem.Nas palavras sinceras.Nas mensagens de texto dos amigos,dos bons amigos.No ápice violento da ascensão do uso de droga na sua vida.No prazerzinho rápido que mora no final de tudo.Nos resquícios de sonhos que passamos a tarde ruminando com esperança.Nos sorrisos cadavéricos de tão lúdicos que há por aí.No bag do aposentado brinquedo (ou juguete caso você seja espanhol)bat-bag.Lá não está o horizonte.
O horizonte cede por debaixo do seu pé
e se seu tato for aguçado,você sem dificuldade alguma poderá senti-lo derretendo e afogando pra baixo do polegar.O polegar do pé.(no mindinho do pé também.)

Você notará se com calma, que desceram junto: O que você queria ser quando crescesse. (pelo peso do que você é quando crescido.) algumas reminiscências de propagandas comerciais dos anos 90(arapuã é um bom exemplo?), bem como algumas gírias (normalmente acumuladas nas palmas dos pés). Tudo vai para um lugar onde os pelos não crescem mais.Onde decepa-se um homem e o membro resurge.Onde os santos andam de sunga e praticam scubadiving acompanhados de modelettes rastafári.Lá,onde a moda da pochete ressurge.Onde ser estudante é honra.Lá,prá onde a imaginação vai buscar mentiras para levar a memória pra cama e dar nó no cérebro do caboclo!

Então saiba onde pisa.

Um comentário:

Yasmin Gomlevsky disse...

dos mais sinceros que eu já li... e, scubadiving, eu adoro essa palavra! olha, fala: scubadiving....